« Voltar
em carreira
A realidade do Dev em < T >

A realidade do Dev em < T >.

Eu posso dizer que comecei a estudar programação e computação de verdade só quando comecei a trabalhar na Caelum, em 2014.

E não poderia ser diferente, afinal, a Caelum é uma escola de programação com reputação nacional (e internacional também) e eu entrei pra ser instrutor.
Ou seja: eu tinha que saber muito.

Dar aulas e aprender a fundo sobre linguagens de programação, frameworks, padrões de projeto e várias outras coisas legais foi uma experiência incrível. E o ambiente de trabalho na empresa sempre contribuiu demais pra isso: um lugar descontraído e com muita liberdade pra você trabalhar do jeito que fizer mais sentido pra você.

Fora o fato de existir muita gente foda pra te ajudar com dúvidas, direcionar e te mentorar.

Depois de um tempo apenas dando aulas, eu queria fazer algo diferente.

Quais eram as opções?

Talvez estudar tecnologias novas e criar novos cursos? Tentei isso, mas não foi pra frente.
Programar em projetos dentro da empresa? Fui dev por um tempo em projetos internos, mas aquilo não mexia comigo não.
Palestrar? Por um tempo, mandei palestras pra alguns eventos mas não consegui palestrar em nenhum e desencanei também.

Depois de pouco mais de um ano de Caelum, eu comecei a me sentir um pouco perdido e desmotivado. Parecia que eu não me encaixava em nada lá dentro que não fosse dar aulas.

Não foi uma fase boa.

Então, eu criei esse blog

Eu já tinha pensado milhares de vezes em ter um blog, mas sempre posterguei.
Um dia lá pro meio de 2015 eu acordei e falei vou criar essa porra é hoje.

Criei, coloquei no ar, escrevi um post. Depois outro. E mais um.
Por um tempo, foi um hábito diário.

E sempre que eu escrevia um post, compartilhava em redes sociais e grupos de discussão. E depois de 1 mês escrevendo comecei a ter um público legal praticamente todo dia, com pessoas comentando, interagindo, compartilhando.

Meu chefe na época, o Alberto, me disse "cara, tá legal esse eu trampo aí compartilhando conteúdo em rede social hein. Que tal começar a fazer aqui nas redes da Caelum?". Na época, ninguém fazia isso na empresa.

E as coisas mudaram

Comecei a cuidar das redes e alguns meses depois eu era o responsável por quase tudo relacionado à isso na Caelum, Alura e Casa do Código.

Eu parei de dar aulas, parei de escrever código no dia a dia e comecei a estudar marketing: boas práticas de redes sociais, escrita, técnicas pra enviar newsletters e tudo mais que eu podia absorver.

Com o tempo fui me envolvendo cada vez mais com a parte de criação de conteúdo e relacionamento com comunidades e pessoas.

Me tornei o Dev em < T >

Faz muito tempo que eu não escrevo um código que vai pra produção.
Ainda assim tecnologia é, de longe, a área que eu mais me aprofundei até hoje e que eu consigo debater com qualquer pessoa.

Se eu precisasse programar profissionalmente hoje não teria nenhum problema com isso. Claro que dependendo da tecnologia/projeto eu teria que estudar um pouco antes :P

A ideia do Dev em < T > é que não basta mais só escrever código-fonte: precisa entender por que te pediram isso, pensar nas necessidades de quem vai usar, entender o layout, considerar se isso vai vender.

Ou, no meu caso: preciso saber conversar e escrever sobre, lidar com pessoas que trabalham na área e entender seus problemas e necessidades, criar conteúdo em vídeo e áudio a partir de linguagens de programação e frameworks.

Programação foi onde me aprofundei, mas marketing e comunicação são as habilidades que adquiri e que me fazem brilhar no que faço e que me ajudaram crescer na carreira de verdade.

Se quiser saber mais sobre a ideia de Dev em < T > dá uma lida nesse post do Paulo Silveira.

Um conhecimento novo pode abrir sua mente

Saber programar bem é essencial pra quem trabalha codando no dia a dia em projetos que tem prazos, pressão e clientes ansiosos.

Mas, vai por mim: aprender algo novo de vez em quando pode destravar sua cabeça pra possibilidades que você nunca tinha imaginado antes.

E não precisa necessariamente ser algo totalmente fora de tecnologia: uma linguagem de programação com um paradigma diferente da que você está acostumado, entender mais sobre sistemas operacionais, estudar estruturas de dados a fundo, entender como aquele framework open source que você usa todos os dias funciona por baixo dos panos.

Conta pra mim: que habilidade nova você aprendeu que abriu saua cabeça? :)

comments powered by Disqus