« Voltar
em carreira devrel criação de conteúdo
Ninguém se importa com o seu conteúdo: e isso é bom

Ninguém se importa com o seu conteúdo: e isso é bom.

Eu comecei a escrever com frequência em 2015, quando criei esse blog.

E não vou mentir: eu queria muito que as pessoas lessem o que eu escrevia.
Tinha uma vontade de ser famoso que eu não sei te explicar. Seguia muita gente conhecida e sonhava em ser como elas.

Eu escrevia, compartilhava o artigo nas redes sociais e ficava esperando as reações. Às vezes eu abria o Analytics do blog e ficava olhando quantas pessoas entravam na hora que eu postava. Confesso que fiquei levemente obcecado com isso por um tempo, tanto que minha esposa até percebeu que não tava sendo muito saudável e me fez parar de ficar olhando as estatísticas o tempo todo.

Eu achava que tinha que escrever algo incrível que iria viralizar e aí sim as pessoas iriam me conhecer e começar a seguir e curtir tudo que eu fazia. Me lembro de imaginar como eu ficaria famoso caso o Whindersson Nunes ou sei lá, o Felipe Neto repostassem algo meu.

Mas não é assim que a internet funciona.
A verdade é que ninguém se importa com o que você tá falando. Pelo menos no início 🙂

Mas por que ninguém se importa?

Quando eu falo "ninguém se importa" parece que as pessoas te odeiam ou algo do tipo. Que o que você tá falando não tem importância nenhuma ou não é interessante. 

Não é isso.

Vamos imaginar que você decidiu que vai começar seu blog hoje e vai escrever o primeiro artigo pra ele. Você vai lá, escreve cuidadosamente, pensa nos detalhes e em como a pessoa vai ler e interpretar tudo que você fala. Quando chega em um ponto que acha que está ok, você publica no blog.

E aí pensa "agora vou compartilhar com o mundo!" e faz um post nas suas redes sociais avisando a galera, com link pro artigo e tudo mais.

Agora, vamos pensar um pouquinho aqui em como as pessoas vão encontrar esse seu conteúdo. Pra isso, a gente precisa pensar no funcionamento das redes sociais.

Como consumimos conteúdo em redes sociais?

A grande maioria das redes sociais hoje em dia trabalha com o conceito de timeline: você segue pessoas e as publicações delas vão aparecendo pra você em uma linha do tempo, que às vezes é cronológica, às vezes não. E você vai rolando aquele feed, buscando algo que desperte a sua atenção. Não tem nada? Você rola ela pra cima até chegar o ponto em que ela vai atualizar pra você. E aí você sai olhando o que tem de novo, caçando algo que chame sua atenção pra engajar.

Já é mais do que provado que as redes sociais usam técnicas baseadas no mecanismo de máquinas caça-níquel pra te viciar: cada atualizada no feed é como se fosse você colocando uma moeda na máquina e puxando a alavanca, esperando que dessa vez o resultado seja bom.

E aí, no meio do rio de conteúdo que tá aparecendo ali na timeline da pessoa, vai aparecer seu post falando sobre o artigo que escreveu.
É a primeira vez que algo do tipo vindo de você aparece na timeline dela. Por que ela vai clicar pra ler?  Ela provavelmente irá fazer isso se:

  • o assunto for exatamente algo que ela está estudando (ou quer estudar) no momento e quer saber mais
  • o título for muito clickbait
  • ela for sua amiga e pensar "olha só! Fulano tá escrevendo sobre X, vou dar uma olhada e compartilhar pra dar uma força"

Mesmo se a pessoa abrir, a não ser que ela esteja muito interessada no assunto, ela só vai dar uma olhada por cima, talvez curtir o post, e depois voltar pro loop infinito de scrolar a timeline procurando outra coisa pra prender a atenção dela por 30s.

Não é nada pessoal, sabe? A pessoa só tá ali em um mar de conteúdo infinito e o seu é só mais um.

Ninguém sabe quem você é

Eu tenho blog desde 2015, sou host de 3 podcasts, já fiz e faço muita live, tenho canal no Youtube, já participei de diversos eventos da comunidade, tanto presenciais quanto online.

E tem gente que às vezes vem falar comigo achando que eu sou o Paulo. Esses dias mesmo uma moça comentou no twitter que achava que eu e o Mário éramos a mesma pessoa.
Semana passada recebi DM pedindo dicas sobre a vida em Portugal:

Ela tinha me confundido com o Bruno Rocha.
Meu ponto é: mesmo fazendo um monte de coisas, tem gente que ainda não sabe direito quem eu sou ou me confunde. 

Isso porque eu sou só mais um peixinho em um rio enorme e descontrolado que é o fluxo de informação que as pessoas recebem diariamente em suas timelines.

Você também é só mais um lambarizinho ali. E tá tudo bem.

O que vai fazer com que as pessoas te reconheçam é a frequência com que você vai aparecer na timeline delas falando sobre um determinado assunto. Se for algo que as interessa, com o tempo elas vão começar a comentar, depois compartilhar. Vai chegar uma hora que elas vão esperar pelo seu conteúdo e vão pedir pra você falar sobre coisas específicas.

Mas isso é algo que só virá com o tempo e pode variar muito dependendo do assunto que você fala, como e onde compartilha isso.

O primeiro post do meu blog que fez barulho na comunidade a ponto de me deixar orgulhoso de verdade foi esse. Ele tem MUITOS comentários e eu lembro de outras discussões em vários canais diferentes: grupo de Facebook, Whatsapp, Twitter. Bombou mesmo.

Antes dele, eu escrevi 32 artigos no meu blog.

32 artigos pra escrever um que me fez ter um que me fez sentir que tava fazendo algo foda de verdade. Horas e horas de estudo e trabalho.

Ninguém se importa com o seu conteúdo: e isso é bom

Em tempos de Instagram, é normal a gente se sentir inseguro.
E quando falamos da bolha dev, onde tem tanta gente incrível criando coisas novas o tempo todo, é mais normal ainda.

Quem tá começando a querer criar normalmente pensa: pra que eu vou escrever sobre X tecnologia? Eu nunca vou chegar aos pés de Y pessoa famosinha da comunidade.
E não cria nada, pensando que será julgada por não ser tão boa quanto essa pessoa ou algo do tipo. 

Mas, essa comparação só existe na nossa cabeça.

Ninguém tá esperando nada de você: as expectativas do mundo sobre o que você criar hoje são nulas. Qualquer coisa que fizer, se impactar uma pessoa, será no mínimo 100% a mais do que qualquer um espera de você.

E quem controla o que as pessoas enxergam de você na internet é você.
O que escolher compartilhar será a imagem que a comunidade irá construir da sua pessoa.

Mas eu nem manjo tanto assim de Javascript, se eu começar a postar isso as pessoas vão perceber.

Não vão. As pessoas percebem o que você mostra pra elas.
E com o tempo, quanto mais você fala sobre um assunto, mais será uma pessoa reconhecida por aquilo. Não importa se você é A MAIOR AUTORIDADE NO ASSUNTO® ou não. A verdade é que você não precisa "ser alguém" pra falar sobre qualquer coisa.

Fale. Seja você. Comece.
Compartilhe a sua perspectiva sobre uma tecnologia, sobre o mercado de trabalho. Conte suas experiências profissionais e frustrações pessoais.

Te garanto que, com o tempo, você irá construir sua presença online e as pessoas irão se interessar cada vez mais pelo que faz.

Se quiser mais dicas de criação de conteúdo e carreira, inscreva-se na minha newsletter.

comments powered by Disqus