« Voltar
em carreira
Não troque de emprego pelas razões erradas

Não troque de emprego pelas razões erradas.

Quando saí do interior pra São Paulo em 2007, eu tinha 20 anos.

Imaginava que me daria super bem na área de tecnologia por aqui e, que quando aos 30 anos, seria alguém fodão em uma mega empresa. Gerente, diretor, algo do tipo. Que estaria super bem financeiramente, algo próximo do rico.

Sábado, dia 20, eu fiz 34. E não tô rico.
Tô super longe de estar pobre também. Na verdade, estou entre os 10% mais ricos do país.

Mesmo assim, se você falasse pro Gabriel de 20 anos que ele ia ganhar o que eu ganho hoje, provavelmente teria deixado ele um pouco frustrado.

Com essa idade, eu tinha pressa.

Eu queria chegar onde eu imaginava estar o mais rápido possível. Por isso, sempre procurei por atalhos em minha carreira profissional.

Meu primeiro emprego na megalópole foi em uma boa empresa, ganhando um ótimo salário para o meu nível na época: 1500 reais, CLT.
O ambiente de trabalho não era o melhor do mundo, era longe da minha casa e meu chefe era uma pessoa bem difícil. Apesar disso, eu tinha uma grande possibilidade de crescer, muita gente disposta e me ensinar coisas e a empresa tinha uma política legal com relação à treinamentos.

Mas eu tava muito mais preocupado com o dinheiro. Achava 1500 pouco. Além disso, não gostava do meu chefe e queria sair de lá o mais rápido possível. E saí.

Assim que consegui, pedi demissão e fui pra outra empresa para ganhar "mais". E digo "mais" com aspas porque eu saí pra ganhar 3000. Parece muito mais do que 1500, certo? Mas era para trabalhar como PJ, não CLT: sem benefícios, sem férias, sem a estabilidade de um emprego com carteira assinada.

Pra algumas pessoas, isso pode ser melhor. Na época, eu achei que foi melhor pra mim. E parecia ser mesmo: eu tinha muito mais dinheiro na mão e não precisava mais trabalhar com um chefe que eu não gostava. Na época, ter mais dinheiro na mão me ajudou bastante.

Mas a empresa que eu trabalhava era bem menor do que a anterior: era só eu e mais um dev. Na outra empresa, eu trabalhava em um time com 6 outros devs e tinha mais 5 ou 6 times do mesmo tamanho. Muitos projetos, tecnologias diferentes, viagens, treinamentos, possibilidades.

Onde eu tava, era só fazer um trampinho mais ou menos e receber a grana.
Era ruim? Não era.
Mas eu não cresci quase nada no ano que trabalhei nesse lugar (profissionalmente falando).

Não dá pra dizer que eu deveria ter ficado no outro lugar, pode ser que sair tenha sido a melhor opção mesmo. De qualquer forma, não importa.

O que eu quero chamar a atenção aqui é: eu saí de onde eu estava porque sentia que ia demorar muito pra ganhar mais dinheiro lá. E eu queria mais. Queria mais e mais rápido.

Com isso, sacrifiquei meu crescimento profissional por um tempo e saí mal visto pelos meus superiores onde trabalhava.

Eu tomei várias decisões equivocadas com relação à trabalho depois disso. E sempre porque eu tinha pressa.
Como se trocar de emprego ou mudar a tecnologia que eu trabalhava seria a solução que me colocaria no caminho certo de...ficar rico? Não sei dizer se é exatamente isso que eu pensava, mas eu queria fazer qualquer coisa, menos trabalhar duro em um lugar, aprender tudo o que podia ali crescer aos poucos.

Foi só recentemente que entendi que constância é o que te faz crescer no longo prazo. É mandar bem todos os dias, um dia de cada vez.

Essa constância vai fazer você ir crescendo aos poucos, ganhando promoções, abraçando novos projetos e consequentemente conhecendo novas pessoas.
Conhecer pessoas em projetos onde você está fazendo um ótimo trabalho é extremamente valioso.

Pensa comigo: se você é dev frontend e manda super bem em um projeto com o Fulano. Seu chefe fica feliz, você fica feliz e o Fulano também fica feliz.

Agora pensa que você; provavelmente não vai trabalhar a vida toda com o Fulano. Amanhã ou depois ele pode ser alguém fodão em uma mega empresa que eventualmente, vai querer contratar alguém pra frontend. De quem Fulano vai lembrar? Provavelmente, de você.

Existem centenas de outras possibilidades que podem acontecer quando você faz um bom trabalho e impressiona quem está do seu lado.
Mas a maioria tem uma coisa em comum: elas funcionam melhor no longo prazo.

Agora, não me entenda mal: eu não estou falando que você não deve trocar de emprego se está infeliz nele.
Existem muitas razões para as pessoas fazerem isso e é algo super normal.

O meu ponto é: tome cuidado pra não fazer essa troca pelos motivos errados, especialmente se for "só" dinheiro.
O dinheiro pode dar aquele alívio e melhorar sua vida (melhorou a minha), mas às vezes é melhor esperar um pouco, tentar ser melhor onde você está agora e avaliar as opções com calma.

Não vai faltar trabalho pra quem é bom no que faz.

Vou fechar esse artigo com uma reflexão: você sente que é uma pessoa realmente boa no que faz hoje onde trabalha?

E quando digo boa, não é só boa em escrever código e realizar tarefas técnicas:

  • Você entende bem o domínio de negócio que trabalha? Entende todas as regras e como a coisa funciona?
  • Está ciente das dores do seu usuário e, quando tem que tomar uma decisão de código, pensa nessas dores ou só no aspecto técnico?
  • Você tenta sempre ajudar seus colegas de trabalho, compartilhando o conhecimento que tem com os outros e ajudando o time a crescer como um todo?
  • Você está tentando melhorar tecnicamente nas tecnologias que usa? Tenta entender as melhores formas de fazer o trabalho, aprende as boas práticas e repassa isso pro time?

O que você achou desse artigo? Se gostou, deveria assinar a Magnífica Newsletter® do Gabs Ferreira, onde toda semana eu mando um artigo exclusivo para os assinantes.

comments powered by Disqus